quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Matemática no Google

No dia 17/08/2011, foi possível ver na página inicial do Google a seguinte homenagem:


(clique na imagem para ver grande)


A história que dá origem a esta homenagem é bem conhecida, mas é tão interessante que vale a pena relembrá-la.

Colocando o mouse em cima da figura lia-se "Eu tenho uma demonstração realmente maravilhosa para esta proposição, mas este doodle é muito pequeno para contê-la". O original desta mensagem é o seguinte fragmento:

Cuius rei demonstrationem mirabilem sane detexi hanc marginis exiguitas non caperet.

Eu tenho um demonstração realmente maravilhosa para esta proposição mas esta margem é muito estreita para contê-la.

O autor desta frase, o matemático francês Pierre de Fermat (1601-1665), se referia à margem um livro intitulado "Aritmética" cujo autor foi Diofanto de Alexandria (que viveu por volta de 2000 anos atrás).

A proposição que Fermat afirmava saber provar era a seguinte:

Cubem autem in duos cubos, aut quadratoquadratum in duos quadratoquatratos, et generaliter nullam in infinitum ultra quadratum potestatem in duos eiusdem nominis fas est dividere

É impossível para um cubo ser escrito como a soma de dois cubos ou uma quarta potência ser escrita como uma soma de dois números elevados a quatro, ou, em geral, para qualquer número que seja elevado a uma potência maior do que dois ser escrito como a soma de duas potências semelhantes.

Até hoje não se sabe se Fermat realmente sabia provar a proposição. O que se sabe (e com muita certeza) é que ela levou mais de 300 anos para ser demonstrada! O homem responsável por esta tarefa foi o matemático britânico Andrew Wiles (1953 - ) que levou não menos do que 7 anos para concluir a prova!!! (E por muito tempo trabalhando em segredo).


Wiles cresceu obcecado pelo problema. Ele se formou em Princeton e acabou por desenvolver uma matemática altamente sofisticada que lhe permitiu demonstrar a proposição (conhecida como o último teorema de Fermat). A demonstração de Wiles não tem menos do que 200 páginas e na época em que foi desenvolvida não havia muitas dezenas de seres humanos que eram capazes de compreendê-la.



Sobre o problema Wiles disse:

Parecia tão simples, e no entanto nenhum dos grandes matemáticos da história conseguira resolvê-lo. Ali estava um problema que eu, um menino de dez anos, podia entender e eu sabia que a partir daquele momento nunca o deixaria escapar. Tinha de solucioná-lo.

Eu tive o raro privilégio de conquistar, em minha vida adulta, o que fora o sonho da minha infância. Sei que este é um privilégio raro, mas se você puder trabalhar, como adulto, com algo que significa tanto para você, isto será mais compensador do que qualquer coisa imaginável. Tendo resolvido este problema, existe um certo sentimento de perda, mas ao mesmo tempo há uma tremenda sensação de liberdade. Eu fiquei tão obcecado por este problema durante oito anos, pensava nele o tempo todo - quando acordava de manhã e quando ia dormir de noite. Isto é um tempo muito longo pensando só 
em uma coisa. Esta odisseia particular agara acabou. Minha mente pode repousar.


Referência: O Último Teorema de Fermat (Livro de Simon Singh e documentário da BBC).

Veja muito mais sobre este tema em: Giga Matemática; Fatos Matemáticos; Mayra Clara's Blog.

Relate erros aqui.

Um comentário :

  1. o etaliano ficava melhor se nao tivesse cotuvelos nem joelhos!!!!!!

    ResponderExcluir

Atualizações dos nossos parceiros: